Fortaleza, Quinta-feira, 23 Novembro 2017

Pesquisar

Processo virtual


Projetos / Cursos

Publicações

Eventos e Destaques

Login

         Comunicação AL TV Assembleia FM Assembleia Banco de Imagens Previsão do Tempo Contatos
Segunda, 13 Novembro 2017 11:59

AL discute instrumentos de prevenção de homicídios na adolescência

Avalie este item
(0 votos)
1º Diálogo Temático Intersetorial da Plataforma dos Centros Urbanos para Prevenção de Homicídios na Adolescência 1º Diálogo Temático Intersetorial da Plataforma dos Centros Urbanos para Prevenção de Homicídios na Adolescência Foto: Paulo Rocha
Com o objetivo de estabelecer diretrizes para a implantação de Protocolo Intersetorial de Prevenção de Homicídios na Adolescência, foi aberto, na manhã desta segunda-feira (13/11), na Assembleia Legislativa, o 1º Diálogo Temático Intersetorial da Plataforma dos Centros Urbanos para Prevenção de Homicídios na Adolescência. Durante o evento, que segue até terça-feira (14/11), vão ser realizadas três oficinas temáticas, para promover a troca de experiências entre os participantes e avançar na construção de ferramentas específicas de prevenção de novas mortes violentas na adolescência.

De acordo com o presidente da Casa, deputado Zezinho Albuquerque (PDT), o debate envolve estudos e trabalhos de pesquisa sobre o homicídio de jovens no Ceará, desenvolvidos pelo Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência (CCPHA), para diversos especialistas – de diferentes capitais do País – que compõem a Plataforma dos Centros Urbanos 2017-2020. A plataforma é uma iniciativa dos Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), que busca garantir os direitos das crianças e adolescentes mais vulneráveis e excluídos.

“Estamos recebendo representantes de 10 estados, que vieram conhecer de perto o trabalho do CCPHA, que monitora os gargalos e riscos que envolvem a nossa juventude em relação à violência. Esse é um projeto da Assembleia que anda lado a lado a outra valiosa iniciativa nossa, que é o Ceará sem Drogas, que percorre todo o Estado alertando os jovens sobre as problemáticas das drogas, um dos grandes indutores da violência”, destacou Zezinho Albuquerque.

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, avaliou que “a iniciativa da Assembleia de criar o comitê, com o apoio do Unicef, veio para abraçar a questão dos homicídios de jovens como uma grande prioridade dos novos tempos para o estado do Ceará”. Ele ressaltou ainda que “o grande desafio para o Estado e para a atual geração de gestores é apresentar resultados efetivos na prevenção a esse dramático cenário que atormenta quem está em mandato”.

Segundo o relator do Comitê, deputado Renato Roseno (Psol), é necessário que haja uma agenda de prevenção aos homicídios de jovens, focada nos territórios mais violentos, e a troca de experiências com pesquisadores e entidades de outros estados é um passo importante na construção dessa agenda. Ainda de acordo com o parlamentar, no encontro, vai ser apresentado o Relatório Epidemiológico de 2017, com um balanço atualizado dos homicídios de meninos e meninas de 10 a 19 anos no Ceará.

“O relatório aponta um aumento de 70% em 2017 em relação ao mesmo período de 2016 na quantidade de homicídios de jovens, reforçando a necessidade de que possamos aqui avançar na troca de experiências com essas capitais e fazer avançar essa agenda de prevenção, que precisa ter urgência, decisão, planejamento e regularidade de pactuação”, salientou Roseno.

A coordenadora nacional da Plataforma dos Centros Urbanos do Unicef, Luciana Phebo, avalia que a prevenção de homicídios de adolescentes é um assunto grave e urgente em todos os centros urbanos brasileiros e que o debate na Assembleia visa construir ferramentas de prevenção baseadas na pesquisa feita no Ceará pelo CCPHA.

“Esse estudo é um estímulo para tantas outras cidades a fazerem o mesmo, e a Unicef atua na forma de promover as trocas das boas práticas e experiências. O Ceará tem essa boa prática ao realizar uma pesquisa muito aprofundada sobre as causas dos assassinatos de adolescentes. Vamos nos debruçar sobre essas evidências e, a partir daí, criar e definir as bases para instrumentos de monitoramento de homicídios na adolescência”, assinalou a coordenadora.

Participaram ainda do debate o secretário de Direitos Humanos e Desenvolvimento Social de Fortaleza, Elpidio Nogueira; a secretária de Saúde de Fortaleza, Joana Maciel; a chefe da área de proteção do Unicef, Casimira Benge; a coordenadora geral de Serviços Especializados à Família e Indivíduos do Ministério do Desenvolvimento Social, Ana Luísa Coelho; a secretária de Direitos Humanos do Estado do Espírito Santo, Gabriela Lacerda; o secretário de Articulação Metropolitana de Belém, Fábio Atanásio, além das representantes do Ministério Público do Rio de Janeiro, Andrea Amin e Roberta Rosa, entre outras autoridades.

RG/AT

Informações adicionais

  • Fonte: Agência de Notícias da Assembleia Legislativa
  • E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
  • Twitter: @Assembleia_CE
Lido 169 vezes Última modificação em Quinta, 16 Novembro 2017 14:42

Recadastramento

Portal do Servidor

Comitê / Frente

Enquete

Em 20 de novembro é celebrado o Dia da Consciência Negra no País. Você percebe quando está tendo um comportamento racista?


 

  29ª Legislatura - Assembléia Legislativa do Ceará                                                                                    Siga-nos:

  Av. Desembargador Moreira, 2807 - Bairro: Dionísio Torres - CEP: 60.170-900 

  Fone: (85) 3277.2500