Fortaleza, Quinta-feira, 20 Fevereiro 2020

Pesquisar

Alcance ENEM

Processo Virtual

Processo Virtual - VDOC

Legislação

Projetos / Cursos

Publicações

Eventos e Destaques

Disque Assembleia

Login

Oposição rejeita Mais Médicos; base defende trabalho de cubanos - QR Code Friendly
         Comunicação AL TV Assembleia FM Assembleia Banco de Imagens Previsão do Tempo Contatos
Quarta, 28 Novembro 2018 06:23

Oposição rejeita Mais Médicos; base defende trabalho de cubanos

Avalie este item
(0 votos)
Tema recorrente nos debates e pronunciamentos da Assembleia Legislativa, nos últimos dias, o Programa Mais Médicos voltou a causar divergências entre parlamentares. Em sessão na manhã de ontem (27), o deputado Ely Aguiar (DC) acusou o projeto de ser uma estratégia para transferir renda do governo brasileiro ao cubano. Enquanto isso, parlamentares da base elogiaram a atuação dos profissionais de Cuba que atuaram no Brasil nos últimos anos.   Para Ely Aguiar, o objetivo “real” do Programa não era de fato atender brasileiros carentes, como apregoava o Governo petista. A iniciativa, continua, teria sido um pretexto para encobrir grande operação financeira de ajuda do partido à ditadura da Ilha, com recursos públicos do Brasil. O deputado, em seu discurso, mencionou como base para suas declarações um editorial publicado, na última semana, pela imprensa nacional, que também falava sobre o assunto.   O Programa, segundo avalia, teria sido utilizado como um mecanismo financeiro para Cuba pagar ao Brasil dívidas que a Ilha tinha contraídas junto ao grande aliado Sul-Americano. Incluindo no caso o projeto do porto de Mariel, executado pela Odebrecht, com financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Para Ely Aguiar, as revelações merecem ser investigadas. “É necessário que o próximo presidente abra a caixa preta do BNDES para ver o tanto de dinheiro que saiu para a Ilha, especificamente para construir o porto em Cuba, que agora está sendo entregue ao governo russo”, assinalou.   O parlamentar criticou também o fato de os médicos ficarem com apenas R$ 2 mil dos R$ 11 mil pagos, ficando o restante para o governo cubano. Ely acredita ainda que houve “uma certa displicência por parte do Congresso Nacional diante da situação e o Brasil foi atirado”. “Tudo o que aconteceu nestes últimos anos deve ser informado à população”, cobrou. Ele acredita, por outro lado, que o novo governo vai “colocar em ordem o Brasil” e fortalecer as instituições.   Contraponto Enquanto o parlamentar do DC desferia críticas ao Mais Médicos, deputados da base governista no Estado também falaram sobre o assunto, mas preferiram defender e parabenizar o trabalho dos médicos de Cuba que trabalharam no Brasil através da iniciativa. O deputado Carlos Felipe (PCdoB) agradeceu, na ocasião, os serviços dos mais de 8 mil médicos que atualmente estão retornando ao país de origem.   Segundo o parlamentar, o serviço desses profissionais foi essencial para a saúde do Brasil. “Foi uma satisfação receber esses médicos que trabalharam pelo povo brasileiro. Como médico e presidente da Comissão da Saúde da Casa, não poderia deixar de ressaltar a importância desses profissionais para o nosso País”, assinalou. Ele enfatizou ainda a maneira humanitária com que esses médicos trataram os pacientes que residem nos lugares mais longínquos. “A satisfação e a gratidão das pessoas é grande por esses profissionais que de maneira humana vieram prestar seus serviços”, afirmou. Falando sobre o mesmo assunto, a deputada Rachel Marques (PT) também parabenizou os profissionais do Programa Mais Médicos e pontuou a dedicação dos médicos. “São pessoas humanas que vieram com a missão de servir em lugares, muitas vezes, sem estrutura nenhuma. A população é muito agradecida pelos serviços prestados e pelo trabalho bonito desses profissionais”, assinalou.   Saída O governo de Cuba anunciou, no último dia 14, que sairá do Mais Médicos no Brasil por divergir de declarações e condições impostas pelo presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). Até então, metade das vagas disponíveis no Programa eram preenchidas por profissionais da ilha caribenha.   “Condicionamos a continuidade do programa Mais Médicos à aplicação de teste de capacidade, salário integral aos profissionais cubanos, hoje maior parte destinados à ditadura, e a liberdade para trazerem suas famílias. Infelizmente, Cuba não aceitou”, disse Bolsonaro pelo Twitter, à época. “Além de explorar seus cidadãos ao não pagar integralmente os salários dos profissionais, a ditadura cubana demonstra grande irresponsabilidade ao desconsiderar os impactos negativos na vida e na saúde dos brasileiros e na integridade dos cubanos”, chegou a acrescentar, mais tarde. A iniciativa havia sido criada em 2013 pelo governo de Dilma Rousseff (PT), com objetivo de ampliar o alcance dos tratamentos médicos, principalmente em cidades do interior.   Educação Ainda em pronunciamento, o deputado Carlos Felipe parabenizou também os avanços na área da educação no Ceará. “O nosso Estado é o segundo do Brasil a ter mais escolas em tempo integral, perdendo apenas para Pernambuco. Estamos tendo exemplos fantásticos nos avanços da educação”, comemorou. O parlamentar lamentou ainda o aumento da pobreza nos últimos dois anos. “Estávamos avançando. Há 15 anos o Brasil estava conseguindo diminuir a pobreza. Nos últimos dois anos, 2016 e 2017, porém, a situação de pobreza voltou a aumentar”, informou ele.  
Lido 999 vezes

Plano de Cargos

PROCON ALECE

Portal do Servidor

Eventos

Enquete

Você concorda com proposta que altera lei dos royalties de petróleo, redistribuindo parte dos recursos do pré-sal conforme desempenho dos estados e municípios no Ideb?


 

  30ª Legislatura - Assembleia Legislativa do Ceará                                                                         Siga-nos:

  Av. Desembargador Moreira, 2807 - Bairro: Dionísio Torres - CEP: 60.170-900 

  Fone: (85) 3277.2500