Fortaleza, Quinta-feira, 22 Agosto 2019

Pesquisar

Processo Virtual

Processo Virtual - VDOC

Legislação

Projetos / Cursos

Publicações

Eventos e Destaques

Disque Assembleia

Login

         Comunicação AL TV Assembleia FM Assembleia Banco de Imagens Previsão do Tempo Contatos
Quarta, 10 Julho 2019 12:25

Augusta Brito faz balanço de atividades da Procuradoria da Mulher

Avalie este item
(0 votos)
Deputada Augusta Brito Deputada Augusta Brito Foto: Máximo Moura
A deputada Augusta Brito (PCdoB) apresentou, durante o primeiro expediente da sessão plenária da Assembleia Legislativa desta quarta-feira (10/07), o balanço de atividades da Procuradoria da Mulher e de mandato parlamentar no primeiro semestre de 2019.

A parlamentar informou que tomou posse como Procuradora Especial da Mulher no dia 15 de março deste ano e, desde então, o órgão vem promovendo encontros, entrevistas, debates, sempre tendo como foco a defesa dos direitos da mulher e sua participação na sociedade.

Uma das atividades promovidas pelo órgão é o "Papo com Mulheres", roda de conversa com nomes de referência na questão dos direitos das mulheres. A primeira convidada, conforme Augusta Brito, foi a professora da Universidade Federal  do Ceará (UFC) e blogueira Lola Aranovich, vítima de campanha cibernética difamatória e cujo caso inspirou a Lei Lola.

A procuradoria também realizou o lançamento do livro "Revolução Laura", com a participação da autora Manuela D’ávila. “Ela foi candidata à vice-presidência nas últimas eleições e também foi vítima de fake news, tema que debatemos bastante nesse encontro”, lembrou.

Augusta Brito disse também que a procuradoria visitou a rede de enfrentamento à violência contra a mulher de muitos municípios, como Pacatuba, Maracanaú e Sobral, assim como a Casa da Mulher Brasileira, cuja inauguração comemorou um ano em junho e foi celebrada em sessão solene na Assembleia Legislativa, no último dia 26.

Sobre mandato, Augusta Brito destacou a tramitação de um projeto de lei de autoria dela, que cria a Semana Ana Pitaguary, a ser celebrada nas escolas indígenas do Estado.

A ideia, conforme observou, é levar o debate sobre Lei Maria da Penha, feminicídio e assédio sexual para as escolas indígenas, “uma demanda que veio da própria população indígena, visto o crescente número dos casos de violência dentro das próprias aldeias”.

Entre as ações a serem realizadas pelo mandato, está programada uma audiência pública em São Benedito para discutir a possibilidade de perda de território do Ceará para o estado do Piauí.

“A ideia é nos prepararmos para outro debate que haverá na AL em agosto, mas, dessa vez, queremos reunir vereadores dos municípios atingidos, assim como deputados também, para coletarmos argumentos para debatermos no momento certo para o Piauí”, frisou.

A perda desse território, segundo ela, implica perda da população do Estado, e também do senso de identidade da população afetada pela mudança.  “Temos muitas atividades programadas para próximo semestre, então espero poder contar com o apoio dos parlamentares em todas essas questões de suma importante para as mulheres, mães, trabalhadoras, e para toda a população cearense”, disse.
PE/AT
 

Informações adicionais

  • Fonte: Agência de Notícias da Assembleia Legislativa
  • E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
  • Twitter: @Assembleia_CE
Lido 95 vezes Última modificação em Quarta, 10 Julho 2019 13:32

Portal do Servidor

Agosto Lilás

Enquete

Você utiliza o meio virtual para fazer negócios ou estudar?

Augusta Brito faz balanço de atividades da Procuradoria da Mulher - QR Code Friendly


 

  30ª Legislatura - Assembleia Legislativa do Ceará                                                                         Siga-nos:

  Av. Desembargador Moreira, 2807 - Bairro: Dionísio Torres - CEP: 60.170-900 

  Fone: (85) 3277.2500