Fortaleza, Sexta-feira, 22 Novembro 2019

Pesquisar

Processo Virtual

Processo Virtual - VDOC

Legislação

Projetos / Cursos

Publicações

Eventos e Destaques

Disque Assembleia

Login

         Comunicação AL TV Assembleia FM Assembleia Banco de Imagens Previsão do Tempo Contatos
Quinta, 12 Setembro 2019 11:50

Acrísio Sena comenta audiência pública sobre privatização de Serpro e Dataprev

Avalie este item
(0 votos)
Deputado Acrísio Sena Deputado Acrísio Sena Foto: Edson Júnior Pio
O deputado Acrísio Sena (PT) ressaltou, no primeiro expediente da sessão plenária da Assembleia Legislativa desta quinta-feira (12/09), a audiência pública realizada na quarta-feira (11/09), que debateu a privatização Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) e da Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev).

Conforme explicou o parlamentar, não há justificativa para a privatização do Serpro e Dataprev, uma vez que as duas são superavitárias. “Em 2018 o Serpro lucrou R$ 450 milhões, enquanto a Dataprev R$ 150 milhões. Estamos falando de duas empresas superavitárias, com produtividade e rentabilidade superior a média privada. Então porque privatizar?”, questionou.

Acrísio Sena afirmou ainda que as empresas nunca dependeram de recursos do Governo Federal e que não há, no Brasil, empresas privadas no mercado de tecnologia superiores. “São 50 anos trabalhando a tecnologia do conhecimento e a segurança de dados, sendo o Serpro a empresa n° 1 em vendas do mercado digital e a quinta maior em tecnologia da informação da America Latina”, enalteceu.

O deputado também fez referência ao posicionamento do deputado Fernando Hugo (PP) em relação à causa de feminicídios no Brasil, quando o mesmo atribuiu a relação de alguns casos à vestimenta das vítimas. “O deputado Fernando Hugo declarou o que considero equivocado do ponto de vista moral. Os argumentos usados por ele não condizem com a realidade e muito menos têm relação com ser partido A ou B”, salientou.

Em aparte, o deputado Elmano Freitas (PT) criticou a privatização das empresas Serpro e Dataprev. “Não entendo como pessoas das forças armadas integram um governo que é antipatriota e mais, que quer entregar os dados do nosso povo. Vamos lutar contra essas privatizações que vão contra os interesses do nosso País”, declarou.

Já a deputada Augusta Brito (PCdoB) informou que, durante a discussão do feminicídio, não citou nome de nenhum deputado ou foi agressiva em suas palavras, apenas falou o que considera. “Acho que a pessoa tem o direito de vestir o que quiser e ser o que quiser, é questão de respeito. Não é questão de cultura ou partido político. Quem sou eu pra dizer o que é errado ou certo? Defendo o respeito às pessoas e as suas decisões. A mulher que é estuprada, violentada ou agredida em qualquer ambiente, não tem culpa”, reforçou.

Para o deputado Carlos Felipe (PCdoB) justificar posicionamentos de deputados somente por base no partido político a qual pertence é inconsequente. “A deputada Augusta não diz que a mulher pode se vestir como quiser por ser comunista, mas por ser mulher e tem esse direito de usar o que gosta. Sejamos mais coerentes e saibamos que o feminicídio tem ligação com a cultura do ódio, não com a roupa que se veste. Jamais poderemos atribuir à vítima essa responsabilidade”, alertou.

O deputado Fernando Hugo (PP) disse que só relacionou o comportamento histórico de socialistas e comunistas, mas que não quis ofender a colega deputada. “O que concordo é que é um desastre se violentar, matar e estuprar mulheres”, ponderou.
LA/AT
 

Informações adicionais

  • Fonte: Agência de Notícias da Assembleia Legislativa
  • E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
  • Twitter: @Assembleia_CE
Lido 202 vezes

Portal do Servidor

Eventos Novembro

Enquete

Como garantir a punição para quem promove violência nos estádios?

Acrísio Sena comenta audiência pública sobre privatização de Serpro e Dataprev - QR Code Friendly


 

  30ª Legislatura - Assembleia Legislativa do Ceará                                                                         Siga-nos:

  Av. Desembargador Moreira, 2807 - Bairro: Dionísio Torres - CEP: 60.170-900 

  Fone: (85) 3277.2500