Fortaleza, Terça-feira, 18 Janeiro 2022

Pesquisar

Comunicação

Comunicação AL TV Assembleia FM Assembleia
Banco de Imagens Previsão do Tempo Contatos

Alcance ENEM

Alece 2030

Processo Virtual

Processo Virtual - VDOC

Legislação

Projetos / Cursos

Publicações

Login

Audiência debate demanda por assistência e prevenção de HIV/Aids - QR Code Friendly
Quarta, 01 Dezembro 2021 18:49

Audiência debate demanda por assistência e prevenção de HIV/Aids

Avalie este item
(0 votos)
Audiência debate demanda por assistência e prevenção de HIV/Aids Foto: Dário Gabriel
A necessidade de assistência adequada, prevenção a partir da educação, investimentos, combate ao preconceito e integração das políticas públicas sobre HIV/Aids no Ceará foram destaque em audiência pública realizada pela Comissão de Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará nesta quarta-feira (01/12). O debate marcou o Dia Mundial de Luta contra a Aids – celebrado em 1º de dezembro de cada ano.

O deputado Renato Roseno (Psol), presidente da comissão, comentou que o dia 1º de dezembro é de alerta, solidariedade, mas, sobretudo, de enfrentamento do preconceito e da discriminação, que impedem o acesso aos serviços e a procura por cuidado e assistência.

O parlamentar destacou o aumento do diagnóstico de HIV na faixa etária de 15 a 24 anos, o que aponta para a juvenilização, assim como a maior vulnerabilidade de alguns segmentos sociais durante a pandemia, como pessoas privadas de liberdade e em situação de rua e o impacto disso no diagnóstico e acesso ao tratamento. Renato Roseno chamou a atenção ainda que, no Brasil, para cada 10 casos de tuberculose diagnosticados, um é em uma pessoa com HIV, por isso é preciso ter atenção à questão da coinfecção.

 

LUTA POR MELHORIAS E ASSISTÊNCIA

Renê Herculano, da Rede de Solidariedade Positiva (RSP-Ceará), ressaltou as diversas pautas para a melhoria da assistência e da qualidade de vida das pessoas que vivem com HIV/Aids, comentando a evolução de questões como diagnóstico e tratamento, mas as lacunas na assistência e o “estrangulamento dos serviços”, que precisam de atenção, como os serviços ambulatoriais especializados (SAE) para HIV/Aids.

Ele criticou ainda o distanciamento entre as políticas públicas e as diversas áreas, destacando a necessidade de campanhas de prevenção mais assertivas, uma vez que, atualmente, a juventude “pouco se empodera sobre prevenção de infecções sexualmente transmissíveis (IST), entre elas, HIV/Aids”.

Vando Oliveira, da Rede Nacional de Pessoas Vivendo com HIV e Aids (RNP Ceará), criticou a ausência de programas de HIV/Aids no Ceará e a falta de compromisso dos gestores com o movimento no Estado, citando, entre outros pontos, falta de reformas na unidade referência, o Hospital São José.

Orleanda Gomes, do Movimento Nacional das Cidadãs Posithivas (MNCP), partilhou os desafios para o acesso à saúde e encaminhamentos necessários, afirmando que é preciso “um atendimento mais amplo”, respeito e nenhum direito a menos na rotina de luta por assistência adequada.

 

CONQUISTAS E DESAFIOS

Marcos Cavalcante Paiva, coordenador da área técnica de IST/Aids e Hepatites Virais da Secretaria Municipal de Saúde de Fortaleza (SMS), reconheceu a necessidade de campanhas integradas para prevenção, fortalecendo o elo entre saúde e educação e mais recursos e investimentos para fortalecer a atuação já existente. 

A diretora clínica do Hospital São José, Christianne Takeda, destacou que a interiorização dos serviços de HIV/Aids tem sido importante, apesar de ainda insuficiente, e aponta para uma necessidade ainda maior.

Ela detalhou os impactos que a pandemia causou nos serviços e atendimentos em 2020 e 2021 (com reduções e suspensões) e ressaltou, principalmente, ser imprescindível o diálogo entre as diversas áreas do poder público, como saúde, educação, assistência, para trabalhar a informação e prevenção.

Participaram ainda da audiência Maria Vilani de Matos Sena, coordenadora de Vigilância Epidemiológica e Prevenção em Saúde do Estado do Ceará; Thaynara Dantas, da Comissão de Saúde da OAB-CE; Ivelise Brasil, do Conselho Estadual de Saúde do Ceará (Cesau-CE), e Severino Ferreira Alexandre, assessor especial da Secretaria Executiva de Atenção à Saúde e Desenvolvimento Regional.

 

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV/AIDS

O Boletim Epidemiológico HIV/Aids, publicado nesta quarta-feira pela Secretaria da Saúde do Ceará e citado durante a audiência pública como importante ferramenta para construção de políticas públicas, indicou que, no período de janeiro de 2012 a novembro de 2021, “foram diagnosticados 14.071 novos casos de HIV e 10.215 de Aids no estado do Ceará”.

O número de casos novos de infecção pelo HIV teve queda importante em 2021. Segundo aponta o boletim, é “provavelmente devido à pandemia de Covid-19, que limitou os diagnósticos nos serviços de saúde”.

Sobre a faixa etária, o boletim indica que, ao longo dos anos, pessoas entre 25 e 34 anos foram as mais acometidas, no entanto preocupa a elevação da faixa etária de jovens de 15 a 24 anos.

SA/LF
 

Informações adicionais

  • Fonte: Agência de Notícias da Assembleia Legislativa
  • E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
  • Twitter: @Assembleia_CE
Lido 350 vezes Última modificação em Quinta, 02 Dezembro 2021 14:45

Protocolo Digital

PROCON ALECE

Portal do Servidor

Eventos


 

  30ª Legislatura - Assembleia Legislativa do Ceará                                                                         Siga-nos:

  Av. Desembargador Moreira, 2807 - Bairro: Dionísio Torres - CEP: 60.170-900 

  Fone: (85) 3277.2500